R E F L I T A:


Mande suas críticas e sugestões: sbritom@hotmail.com


segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Qual das duas professoras você é?

Se você é educador dos anos iniciais, principalmente, veja com qual das duas professoras apresentadas no texto a seguir, você mais se identifica.

“JOÃOZINHO VAI À ESCOLA”
Joãozinho era um menino pequeno. Mas já sabia fazer muitas coisas. Aprendeu algumas com seu pai, outras com sua mãe, amigos e muitas sozinho, tentando no pátio de sua casa, no seu quarto, na copa de sua árvore preferida...
Ele estava muito entusiasmado, pois iria iniciar mais uma nova aventura: IR PARA A ESCOLA!
Chegando lá ele a achou enorme. Olhava tudo com assombro e curiosidade.
“Puxa  quanta coisa farei aqui”, pensava  Joãozinho.
Certo dia a professora anunciou:

__ Hoje vamos fazer um desenho!
Joãozinho vibrou. Ele adorava desenhar. Sabia fazer um monte de coisas. Pegou seus lápis de cor para começar. Porém a professora impede que ele comece, ela nem havia dito o quê nem como deveriam fazer.
__ Vamos  fazer uma árvore!
Joãozinho  se  entusiasmou novamente. Ele sempre desenhava as árvores que havia em sua casa. “Vou desenhar  o meu pé de cinamomo. Ele está cheinho de flores... vou desenhar a casinha que eu construí na árvore”... ia pensando Joãozinho. Mas novamente foi interrompido. __ Prestem atenção!  Olhem bem para esta árvore que a professora desenhou. Observem as cores... do tronco, da copa.
Joãozinho olhou para a árvore da professora. Até que era bonitinha, mas achava as suas mais bonitas.
Calado, pegou o lápis e desenhou a árvore da professora: tronco marrom, copa verde.
Outro dia a professora disse que teriam uma surpresa, apresentou uma barra de argila e anunciou:
__ Hoje vocês vão modelar!
Joãozinho sabia e adorava modelar. Perto de sua casa tinha muito barro. Ele e seus irmãos faziam com o barro coisas lindas. 
Amassando entusiasmado seu pedaço de argila, pensava no  que iria inventar . O entusiasmo durou pouco até a professora dizer:
__ Vamos fazer um cinzeiro para presentear o papai. Olhem para este cinzeiro que eu trouxe. Hoje vamos modelar,  outro dia pintar. Os pais  de vocês vão adorar. Vai ficar lindo!...
Joãozinho, calado, começou a modelar o seu cinzeiro. Não gostou do cinzeiro, o pior, seu pai nem fumava.
Joãozinho, que antes adorava seus desenhos, suas modelagens, mudou muito. Já não se entusiasmava mais com as surpresas anunciadas pela professora. Aprendeu a fazer as coisas iguais às da professora. Tirava boas notas.
Um dia a família de Joãozinho mudou de cidade e o menino teve que ir para outra escola.
A nova professora contava histórias e solicitava para que todos a ajudasse contar e dramatizar  as histórias. Joãozinho só respondia o que lhe perguntavam.
Após a história a professora falou:
__ Vamos desenhar o que mais gostamos da história!
Joãozinho  ficou esperando que a professora dissesse o que deveriam desenhar. Mas ela não disse. Ela ficava andando pela sala. Chegando perto de Joãozinho, perguntou:
__Você não quer desenhar?
__ Sim senhora, mas o que devo fazer?
__ Aquilo que você quiser. Você é quem sabe o que mais gostou da história.
__  Como devo fazer?  Que cores devo usar?
__  Como você achar que fica melhor. O desenho é seu. Que graça teria se todos fizesse tudo igual?...
Joãozinho voltou-se para sua folha e começou o seu desenho... “uma árvore de tronco marrom e copa verde...”

Fonte: FEIL, Iselda T. Sausen. Alfabetização: Um desafio para um novo tempo. Vozes.      

domingo, 29 de junho de 2014

Remexendo meus guardados encontrei uma bela sugestão da Psicóloga Rosely Saião, dirigida aos pais, muito válida também para os que convivem com crianças e desejam deixar nelas uma semente de alta estima e solidariedade. Confiram a seguir:

Pais devem ensinar prazer da convivência

Em uma conversa da autora, sobre a qualidade do tempo que os pais dedicam ao convívio com os filhos... a conversa provocou os leitores, que enviaram uma correspondência bem variada em relação ao tema... pedindo sugestões de atividades que pudessem reunir pais e filhos em torno de um mesmo interesse.

Afirmou a Psicóloga “a primeira coisa sobre a qual é importante refletir é justamente essa tendência de sair em busca de algo diferente ou interessante para fazer quando estão com os filhos. Aí é um tal de procurar programas. Atividades culturais e artísticas, viagens, que acabam roubando boa parte do tempo que poderia ser passado com os filhos.

Não é preciso tanto empenho para criar motivações para que os filhos se interessem em desfrutar da companhia dos pais. Basta – o que não é pouco – estabelecer com os filhos, desde cedo, o hábito de fazer coisas simples juntos, de ter boas conversas, sobre qualquer assunto, de expressar o prazer de estar lado a lado, mesmo que num bom embate de ideias, mesmo que num conflito. Companheirismo familiar, esse é o ponto. E isso se aprende.

Para que os pais possam ensinar aos filhos o gosto pela convivência familiar, é preciso que isso faça parte da vida deles, que gostem de estar com os filhos. E essa é uma descoberta que se faz pouco a pouco, à medida que o filho cresce. Nos primeiros anos, sentar no chão com o filho, engatinhar com ele, jogar bola são maneiras de mostrar o prazer de conviver; alguns anos depois, ler livros juntos, desenhar ou pintar, tomar sorvete à tarde são outros modos de mostrar ao filho que é gostoso estar junto com ele.

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DOS JOGOS NAS CLASSES DE ALFABETIZAR


Os jogos representam rico um recurso para o ensino da leitura e da escrita nas classes de alfabetização e letramento. Ao realizar seu planejamento o professor deve incluir os jogos que melhor correspondam aos objetivos de ensino: diferenciar e identificar as letras do alfabeto, representar determinada letra, identificar os nomes dos colegas de sala, reconhecer ou escrever palavras. Independentemente dos métodos ou processos utilizados, os jogos sempre são bem vindos.  

Apesar ser um recurso para aprender e ensinar brincado, os mesmos devem ser escolhidos com cuidado. Certos jogos custam caro, dão muito trabalho para confeccionar, organizar, guardar, utilizar, mas não surtem resultados importantes. Alguns fatores como, praticidade, possibilidades de atividades diversificadas, estímulo às atividades psicológicas superiores: percepção, atenção, memória e raciocínio, devem ser considerados para a seleção.

Com a finalidade de contribuir com os professores alfabetizadores publicamos no menu RECURSOS algumas sugestões de jogos para os anos iniciais.

domingo, 1 de setembro de 2013

MAIS POESIA NA SALA DE AULA

Apresentamos mais esta próxima produção das alunas, inspirada também na poesia “As tias”, agora brincando com seus próprios nomes. Conforme a turma foi expressando sua ideia sobre cada colega, fomos registrando no quadro de giz.

O resultado é este poema que você pode ler abaixo. O mais importante deste encaminhamento foi o significado da atividade para as alunas, pois o poema representa uma descrição do modo de ser de cada uma dela. Foi bom demais ver a satisfação delas pelo resultado final, todas participaram da atividade.

 Eis o resultado final:

SOMOS NÓS

A Aline só usa biquine de bolinha
Mas na escola é uma santinha.
A Berninha pula amarelinha
Comendo paçoquinha.
A Edna é uma medrosa
Mas na sala é muito prosa.
A Camila com essa calma
Esconde uma bondosa alma.
A Célia e a Celina são muito sérias
Sempre que faltam copiam a matéria.
A Elis com seus filhos é muito feliz
Envergonhada avermelha o nariz.
A Evelliyn, a mais nova mãezinha
Faz a papinha pra sua filhinha.
A Fabiane tem um lindo nome
Faz doce de leite e a turma come.
A Flávia hoje não estava
Será que ela está brava?
A Francislaine é charmosa
Anda sempre estilosa.
A Janaína é inteligente
Sabe cuidar bem dos dentes.
A Kauane, professorinha da fazenda
Todo dia conta uma lenda.
A Keila é prendada, faz bonequinha
Muito lindinha de lembrancinha.
A Kelly é muito concentrada
Mas hoje ela está cansada.
A Luceni é sempre disposta
De faltar às aulas ela não gosta.
A Luciana é muito bacana
Mas quando nervosa roda a baiana.


terça-feira, 27 de agosto de 2013

LENDO E ESCREVENDO POESIA

 Ler poesia com os alunos é divertido. As crianças gostam de brincar com as rimas. O texto “As tias” do escritor Elias José, apresentado em seu livro Namorinho de portão, pode estimular as crianças além de lerem, produzirem poesias.
 
DESENVOLVIMENTO DA ATIVIDADE:
Leitura em coro, do texto pela turma:


As Tias
A tia Catarina

Cata a linha
A tia Teresa

Bota a mesa
A tia Ceição

Amassa o pão
A tia Lela

Espia a janela
A tia Cema

Teima que teima
A tia Maria

Dorme de dia
A tia Tininha

Faz rosquinha
A tia Marta

Corta batata
A tia Salima

Fecha a rima
                                                      
 Agora veja a produção coletiva da turma, inspirada no texto acima. O legal desta produção é que os nomes que aparecem no texto logo abaixo, são os nomes das tias das alunas e a forma como elas identificam as mesmas. 
 AS TIAS DA TURMA
A tia Tânia é da Silvana
A tia Ângela é uma anja
A tia Bia come na bacia
A tia Cida faz a comida
A tia Rosa é muito cheirosa
A tia Helena aprecia cinema
A tia Vilma na festa filma
A tia Sueli come caqui
A tia Andreia é uma teteia
A tia Joanita é muito bonita
A tia Odete faz omelete
A tia Cotinha é uma gracinha
A tia Ivone gosta de canelone
A tia Tiana come banana
A Tia Paula adora dar aula
A tia Tatinha só cozinha
A tia Polaca cuida da vaca
A tia Cleusa é uma Deusa
A tia Jovita borda com fita.

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

A POESIA NA SALA DE AULA

As crianças são capazes de escreverem poesia? Você explora esse tipo de texto com seus alunos? Seria específico para as aulas de Português ou haveria a possibilidade de as poesias ou poemas abordarem temáticas das outras áreas do conhecimento?

A poesia representa uma tipologia textual pouco explorada em todos os níveis de escolarização. Todavia, ao observarmos como as rimas estimulam a oralidade na infância, poderemos explorar esse campo tão fértil para o desenvolvimento da linguagem humana. 

Esse trabalho pode ser iniciado a partir de rimas, mas conforme os alunos forem avançando na escolarização poderemos explorar poemas abertos sem a preocupação exclusiva com as rimas, uma vez que o texto poético é caracterizado pela riqueza da linguagem, a beleza do texto, a presença de figuras de linguagem, a mensagem que traz.

Confira no menu RECURSOS uma matéria que produzimos sobre o tema, a partir de uma oficina que realizamos no VIII SEMEA, Semana do Magistério, no Curso de Formação de Docentes, do Instituto Estadual de Educação de Maringá, em aulas de Metodologia da Língua Portuguesa.


Se você acreditar que vele a pena divulgue, comente.  

segunda-feira, 12 de agosto de 2013

SUGESTÃO DE ESTRATÉGIAS PARA O ENSINO DA LEITURA E DA ESCRITA A PARTIR DA HISTÓRIA “A VACA REBECA”

No menu RECURSOS, apresentamos sugestões de encaminhamentos que trabalhamos com nossas alunas nas aulas de Metodologia de Alfabetização, no Curso de Formação de Docentes, há algum tempo.

Agora dividimos esta proposta de trabalho com você, professor alfabetizador. Não é nossa intenção transformá-la em cartilha. Caso acredite poderá utilizá-la. 

Para nós será gratificante, mesmo agora distante da sala de aula, poder contribuir com a alfabetização de nossos brasileirinhos. Ainda sonhamos com uma escola capaz de ensinar todos os seus alunos a lerem e a escreverem.

Acredito que o programa “Alfabetização na Idade Certa”, do governo federal, com a participação dos municípios e empenho da comunidade escolar mude os rumos do ensino da leitura e da escrita em nosso país. 

Temos a consciência de que é necessário muito neste sentido, pois uma criança que passa pela escola sem aprender a ler e a escrever tem a sua cidadania mutilada.  

terça-feira, 7 de maio de 2013


Oração de Mãe

 Senhor, abençoa todas as mães do mundo!. 
Tanto as mães biológicas quanto as de coração!
Pela sua infinita bondade responda as orações de todas elas em favor de seus filhos.

É tão triste, Senhor ver um filho ou uma filha sofrendo  doente, desempregado, incompreendido, decepcionado, inconformado, desorientado, vazio da Sua comunhão....
Sei que Tu, Senhor és capaz de captar não apenas nossas palavras, gestos, mas da mesma forma que entendeu o olhar de sua mãe ao pé da cruz compreende cada mãe e perdoa  sua  insistência às madrugas, pela manhã, à tarde, à noite ou a qualquer momento  que puder estar a sós contigo intercedendo pelos seus filhos, filhas, netos, netas, genros e noras.

Senhor, que as crianças geradas em qualquer de repente, algumas  até jogadas no lixo, encontrem um coração materno que possa ampará-las.

Senhor, que cada mãe seja lembrada por seus filhos, não apenas no 2º domingo de maio, mas pelo menos de vez em quando, quem sabe com um telefonema, já que uma visita para alguns é quase impossível. 

Um objeto não preenche o espaço de quem o ofereceu. A diferença não está no ter, mas no ser. O importante é poder contar com o outro. Sentir seu afago, seu cheiro, seu calor....

Mais uma vez Te imploramos Senhor, conceda aos nossos filhos, filhas e suas famílias, paz em seus lares, saúde, graça divina, bons amigos, e tudo mais que possa aproximá-los de Ti, pois imagino que este provavelmente seja o desejo de todas as mães, para todos os dias do ano. 

Amém!

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Volta às Aulas

volta as aulas

volta as aulas 2013
atividades volta as aulas 2013

fonte: http://www.esoterikha.com/coaching-pnl/volta-as-aulas-textos-atividades-dinamicas-e-mensagens.php

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

A maior tragédia de nossas vidas


O poeta gaúcho Fabrício Carpinejar, grande frasista das mídias sociais, escreveu o texto que todos os bons jornalistas gostariam de ter escrito sobre a tragédia da boate Kiss, que deixou, até agora, 231 mortos num incêndio assassino. O poema foi publicado no alto da primeira página do jornal O GLOBO de hoje:


"Morri em Santa Maria hoje. Quem não morreu? Morri na Rua dos Andradas, 1925. Numa ladeira encrespada de fumaça.

A fumaça nunca foi tão negra no Rio Grande do Sul. Nunca uma nuvem foi tão nefasta.

Nem as tempestades mais mórbidas e elétricas desejam sua companhia. Seguirá sozinha, avulsa, página arrancada de um mapa.

A fumaça corrompeu o céu para sempre. O azul é cinza, anoitecemos em 27 de janeiro de 2013.

As chamas se acalmaram às 5h30, mas a morte nunca mais será controlada.

Morri porque tenho uma filha adolescente que demora a voltar para casa.

Morri porque já entrei em uma boate pensando como sairia dali em caso de incêndio.

Morri porque prefiro ficar perto do palco para ouvir melhor a banda.

Morri porque já confundi a porta de banheiro com a de emergência.

Morri porque jamais o fogo pede desculpas quando passa.

Morri porque já fui de algum jeito todos que morreram.

Morri sufocado de excesso de morte; como acordar de novo?

O prédio não aterrissou da manhã, como um avião desgovernado na pista.

A saída era uma só e o medo vinha de todos os lados.

Os adolescentes não vão acordar na hora do almoço. Não vão se lembrar de nada. Ou entender como se distanciaram de repente do futuro.

Mais de duzentos e quarenta jovens sem o último beijo da mãe, do pai, dos irmãos.

Os telefones ainda tocam no peito das vítimas estendidas no Ginásio Municipal.

As famílias ainda procuram suas crianças. As crianças universitárias estão eternamente no silencioso.

Ninguém tem coragem de atender e avisar o que aconteceu."

As palavras perderam o sentido.



sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

O QUE VAI SER PAUTA NA EDUCAÇÃO DO BRASIL EM 2013


Veja quais serão os principais temas de debate educacional para este ano

 
O que vai ser pauta na Educação do Brasil em 2013
  
João Bittar/MEC
Mariana Mandelli
Após um 2012 movimentado por lançamentos de programas e políticas educacionais (veja aqui a retrospectiva), cabe a reflexão sobre os efeitos das implementações de algumas dessas ações, e a retomada de debates sobre a Educação de qualidade no Brasil.
Temas que se destacaram no ano passado, como a alfabetização e o Ensino Médio, devem permanecer com bastante repercussão entre as iniciativas do Ministério da Educação.
A seguir, confira os principais assuntos que devem dominar a pauta da Educação Básica pública do País ao longo de 2013.

PNE
O debate em torno do Plano Nacional de Educação (PNE), que tramita no Senado desde setembro do ano passado, deve dominar o cenário no primeiro semestre de 2013. O tema mais controverso da proposta é o que trata do financiamento da Educação. O texto aprovado na Câmara dos Deputados determina que, até o final da vigência do Plano, o país passe a investir 10% do PIB no setor. Por enquanto, o projeto de lei tramita na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado. Além disso, o relator, senador José Pimentel (PT-CE), pediu mais tempo para analisar as 80 emendas apresentadas depois de o documento ter sido enviado ao Senado. Devido ao recesso parlamentar, a pauta deve ser retomada somente em meados de fevereiro.

Royalties 
O governo federal aposta nos royalties do petróleo como solução para vincular mais recursos à Educação pública. A Medida Provisória (MP) 592/12, que altera as regras de distribuição dos royalties, destina 100% das receitas de áreas ainda não licitadas para a Educação. A MP recebeu 62 emendas até o momento. Caso não seja votada até 12 de maio, a medida deixa de ter validade. Os próximos passos dependem da criação de uma comissão mista, formada por deputados e senadores, que vai destacar um relator para analisar a matéria. Na sequência, o Plenário da Câmara irá votá-la para então o Plenário do Senado irá analisá-la.

Novos Prefeitos
Neste ano, milhares de prefeitos eleitos – e respectivos secretários de Educação – assumem a gestão de municípios de todo o País. Com a troca de siglas e de interesses políticos, é recorrente uma das grandes mazelas da Educação pública brasileira: a descontinuidade de políticas e projetos. Para orientar os novos prefeitos com diretrizes específicas, o governo federal promover no fim do mês o II Encontro Nacional com Novos Prefeitos e Prefeitas do Brasil, em Brasília.

Piso Nacional do Magistério
O MEC anunciou no último dia 10 de janeiro o reajuste de 7,9% no piso nacional do magistério, que passa a ser de 1.567 reais. Desde que foi instituído o piso, em julho de 2008, o anúncio do reajuste vinha sendo feito sempre no final do ano anterior. A variação anunciada, desta vez com atraso, foi a menor dos últimos três anos. Em 2012, a correção foi de 22,2%. Em 2011, de 16%.
Segundo o MEC, a correção reflete a variação ocorrida no valor anual mínimo por aluno definido nacionalmente no Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) de 2012, em relação ao valor de 2011. Entidades educacionais e sindicatos e associações docentes criticaram o valor do reajuste.
Ainda sobre este tema, está em análise na Comissão de Educação e Cultura (CEC) da Câmara dos Deputados o Projeto de Lei 3776/08, que trata da base do reajuste salarial pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC). No momento, o PL aguarda parecer da comissão.

Reforma do Ensino Médio
No final do ano passado, o Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed), representado pelos secretários de Educação do Acre, de Tocantins, da Paraíba e do Distrito Federal entregaram ao ministro Aloísio Mercadante um documento sobre o Ensino Médio que contém, além de um diagnóstico da situação desse segmento no País, propostas para a melhoria da qualidade do ensino. O texto, entregue à União com atraso, deverá servir de base para ações do MEC, como a reestruturação curricular e a ampliação das escolas de tempo integral.
O debate em torno do tema se intensificou quando o MEC divulgou o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) de 2011 para o Ensino Médio – a nota ficou estagnada em relação a 2009. O MEC afirma que o Ensino Médio Inovador e a reforma curricular são prioridades da atual gestão. De acordo com a Constituição Federal, as redes estaduais são responsáveis pela oferta do Ensino Médio público e gratuito.

Indicador latino-americano de Educação 
Reunidos em novembro do ano passado, ministros da Educação da Argentina, do Brasil, do Uruguai, do Chile, do Equador e do Peru, divulgaram a intenção de se desenvolver um indicador latino-americano de Educação. O indicador deve ser baseado em uma metodologia semelhante à da Prova Brasil, mas também deve apropriar-se de técnicas e dados do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa). Em fevereiro deste ano, um seminário discutirá o tema para definir conceitos técnicos e metodológicos.

Eleição no Consed
2013 é ano de eleição no Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed), que definirá, para os próximos dois anos, o presidente e quatro vices. Atualmente, quem preside o órgão é a secretaria do Mato Grosso do Sul (MS), Maria Milene da Costa, no cargo desde 2011.

Pisa e Prova Brasil
Neste ano, serão divulgados os resultados do Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa), realizado a cada três anos pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). A publicação dos dados, que permitem observar o desempenho do Brasil relação a outras nações, normalmente ocorre em dezembro. Na edição anterior, referente a 2009, o País obteve o 54° lugar de 65 países. A ênfase da avaliação de 2009 foi em leitura. Na prova aplicada em 2012, o foco da avaliação foi a matemática.
Em novembro de 2013, deve ocorrer a aplicação de mais uma edição da Prova Brasil, censitária para alunos do 5º e do 9º ano do Ensino Fundamental da rede pública, e do Saeb, amostral para alunos dessas mesmas etapas e também para alunos do 3º ano do Ensino Médio das redes pública e privada. Os resultados das avaliações ajudarão a compor o Ideb 2013, a ser divulgado em 2014.

Alfabetização
Em 2012, o MEC lançou o Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (leia mais aqui). À época, a presidente Dilma Rousseff garantiu apoio técnico e financeiro aos municípios e Estados que aderissem à iniciativa da União. Ela anunciou um investimento de 2,7 bilhões de reais neste ano e no próximo. No entanto, para isso ocorrer, a Medida Provisória 586/12 precisa ser votada e aprovada. Atualmente, o texto aguarda a votação do relatório do senador Eduardo Amorim (PSC/SE) em Comissão Mista.

Lei de Cotas
Em agosto de 2012, a presidente Dilma Rousseff sancionou a Lei nº 12.711, popularmente conhecida como a Lei de Cotas. Para 2013, o texto determinou que 12,5% das vagas nas universidades e institutos federais fossem reservadas a estudantes oriundos da rede pública, com recorte racial e de renda. Em 2014, a reserva deve ser de 25% do total de vagas. Em 2015, de 37,5% e, em 2016, de 50%. De acordo com dados divulgados pelo MEC nesta semana, dos 1,94 milhão de inscritos no Sistema de Seleção Unificada (Sisu), 864.830 são cotistas, o que representa 44% do total.
O Governo do Estado de São Paulo também lançou um programa de cotas – o Programa de Inclusão com Mérito no Ensino Superior Público Paulista (Pimesp), que prevê chegar a 50% de vagas nas universidades estaduais paulistas para estudantes de escolas públicas até 2016. A proposta será discutida nos conselhos universitários da Universidade de São Paulo (USP), da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e da Universidade Estadual de São Paulo (Unesp).

Lei de Responsabilidade Educacional (LRE)
A Comissão Especial (CESP) da Câmara dos Deputados pode voltar a analisar, no primeiro semestre deste ano, os projetos sobre a Lei de Responsabilidade Educacional (LRE). As propostas apresentadas dispõem sobre “a qualidade da Educação Básica e a responsabilidade dos gestores públicos” na oferta do serviço público e no cumprimento de metas. Ao todo, são 14 projetos.

Direitos de aprendizagem
O MEC concluiu em dezembro o primeiro documento de definição dos direitos de aprendizagem. O texto, que passa agora a tramitar no Conselho Nacional de Educação (CNE), corresponde aos três primeiros anos do Ensino Fundamental – o ciclo de alfabetização. A expectativa é que a análise seja finalizada ainda neste semestre.
Leia a matéria completa aqui.
fonte: http://www.todospelaeducacao.org.br/comunicacao-e-midia/noticias/25572/o-que-vai-ser-pauta-na-educacao-do-brasil-em-2013/ 

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Especialista alerta que água não é suficiente para se manter hidratado no verão


Beber água não é suficiente para repor os sais minerais expelidos pelo suor, alerta a  integrante do Conselho Regional de Nutricionistas do Rio, Vânia Barberan. Apesar de o calor estimular o consumo de água, a especialista alerta que para manter o  bom funcionamento do organismo, outros líquidos devem ser ingeridos.
De acordo com ela, a população deve ter o hábito de beber sucos da fruta em vez de refrigerantes, como muitas pessoas fazem. "Água é bom, hidrata, mas não é o suficiente. Trocar a água pelo refrigerante também não é bom, porque os refrigerantes ou as bebidas artificiais não oferecem nutrientes". Segundo Vânia, o ideal é trocar a água pelo suco de fruta, aqueles que a pessoa faz em casa, como uma limonada, ou o de caixinha.
Outro alerta feito pela nutricionista é com relação aos sucos à base de soja. Vânia explicou que esses produtos são uma nova categoria de alimentos e não contêm os mesmos nutrientes encontrados nos sucos de frutas. "Existe uma série de estudos com relação a essa bebida, o ideal é que elas sejam ingeridas com moderação. A gente não toma leite na mesma proporção que o suco de fruta, então é melhor compará-lo [o suco à base de soja] a um leite, embora ele não tenha os ingredientes do leite", disse.
Segundo a nutricionista, um adulto precisa tomar, em média, dois litros de líquido por dia, diversificando entre a água e outras bebidas saudáveis para que os nutrientes sejam renovados em seu corpo.
Para amenizar a sensação de calor, além dos cuidados com a alimentação, é preciso prestar atenção aos perigos dos raios solares. Segundo o superintendente de Vigilância Epidemiológica e Ambiental da Secretaria Estadual de Saúde, Alexandre Chieppe, o indivíduo deve evitar se expor ao sol entre as 10h e as 17h. É necessário usar protetor solar.
Chieppe alertou também quanto ao armazenamento dos alimentos. "Os alimentos estragam com mais facilidade, principalmente quando não ficam refrigerados adequadamente. Os cuidados devem ser redobrados", frisou.
O representante do governo lembrou a necessidade de cuidados com a dengue, já que no verão os índices de casos da doença costumam ser altos.
Fonte: O Diário Online

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Morre primeira professora de Maringá


 Por RIGON | 

Dirce de Aguiar Maia

Será sepultada hoje às 17h, no Parque Iguaçu, em Curitiba, o corpo de Dirce de Aguiar Maia, primeira professora e primeira diretora de escola de Maringá. Ela faleceu ontem no Hospital Sugisawa, aos 90 anos. O corpo está sendo velado no Parque Iguaçu. Dirce de Aguiar Maia aparece de vestido estampado na foto acima, ao lado das primeiras professoras primárias de Maringá, em 1948, quando a cidade tinha 1 ano de fundação),- 1ª Professora e 1ª Diretora de Maringá (vestido estampado) junto com as primeiras educadoras primárias que a cidade conheceu, como Maria Balani, Candinha Balani, Stefania Moreno, Neiva Camargo, Agmar dos Santos e Maria Pizzolato Maragno. Dirce, que dá nome a um colégio na Vila Santa Isabel, foi casada com Aníbal Goulart, político maringaense que teve a residência incendiada num dos episódios do início da história local.

Segundo Fernando Tupan, ela foi ativista política, militou em diversos partidos políticos tanto em Maringá quanto em Curitiba. Nasceu no estado do Rio de Janeiro em 10 de novembro de 1922, deixa 2 filhos e netos.

fonte: Blog do Rigon

domingo, 9 de dezembro de 2012

Uniforme dedo-duro


Por RIGON | 

A Câmara Municipal de Maringá aprovou ontem um projeto do vereador Paulo Soni (PSB) que prevê a adoção de um chip eletrônico nos uniformes dos alunos da rede municipal. Toda vez que o estudante passar pelo portão de entrada da escola um sensor registrará a sua presença e avisará os responsáveis por meio de mensagem de celular. O sistema, que detectará a presença por ondas de radiofrequência, também registrará o horário de saída da escola. Vários municípios brasileiros já adotaram o sistema de monitoramento. Ao privilegiar esse tipo de medida (no rol de outras que igualmente monitoram os alunos, como as câmeras de vigilância), a Secretaria Municipal de Educação (Seduc) revela que está abrindo mão da sua função de educar e de transformar comportamentos, formando cidadãos. Inverte-se a lógica que levou à criação das escolas, cuja função é socializar conhecimentos e formão cidadãos, e a elas resta vigiar e punir.
Ivana Veraldo 

sábado, 24 de novembro de 2012

"ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA"


É inaceitável uma criança, que consegue dar um recado, comprar pão, brincar com outras crianças, frequentar as aulas todos os dias, durante 1, 2 e até 3 anos sem aprender ler escrever um pequeno texto.

Para ensinar a ler e a escrever é necessário mostrar aos alfabetizandos como funciona o nosso sistema de escrita. Este deve ser um trabalho contínuo e constante nas classes de alfabetização. 

Não é porque alguns alunos começam a escrever que o professor vai "abandonar" aqueles que ainda estão apresentando dificuldades. O alfabetizador deve recorrer a atividades interessantes que levem a reflexão. Os jogos alfabetizadores também dão excelentes resultados.   

O Programa "alfabetização na idade certa" proposto pelo governo federal é muito bem vindo. O incentivo aos professores é importante, mas este programa precisa: envolver toda a comunidade escolar e as famílias dos alunos, ser supervisionado e bem avaliado. 

Cada um deve cumprir a parte que lhe toca. Os educadores necessitam participar de formação continuada porque a escola não está sabendo como ensinar. 

Bem disse a presidenta Dilma que os pais também  devem assumir este compromisso.



Para Dilma, alfabetização na idade certa é pilar para o ...

terça-feira, 6 de novembro de 2012

Câmara conclui votação e nova divisão de royalties vai a sanção


Expectativa é que proposta permita aos Estados não produtores dividir bolo de R$ 8 bi no próximo ano; texto final ainda pode mudar

Eduardo Bresciani, da Agência Estado

SÃO PAULO - A Câmara dos Deputados concluiu a votação do projeto que muda a distribuição dos royalties do petróleo aprovando a proposta original do Senado. O projeto altera as regras também para áreas já licitadas, não dá garantia de receitas para estados produtores e não faz vinculação de áreas em que os recursos devem ser gatos. Com isso, o texto segue para a sanção da presidente Dilma Rousseff. Foram 286 votos a favor e 124 contrários.

O projeto do Senado, de autoria de Vital do Rêgo (PMDB-PB), traz prejuízos maiores aos estados produtores do que a proposta de Carlos Zarattini (PT-SP), alternativa derrotada em plenário. As tabelas que dão base ao projeto do Senado tem como referência a arrecadação de 2010 e, diferente do texto do deputado petista, não há nenhuma garantia aos produtores de receber ao menos o mesmo montante arrecadado em 2011. A expectativa é que a proposta permita aos não produtores dividir um bolo de R$ 8 bilhões já no próximo ano.

Outra diferença de fundo entre os dois textos é que na proposta aprovada não há vinculação de recursos para a educação, como defende o governo federal. O texto de Vital não traz obrigação de gastos em nenhuma área.

Também contrariando o Palácio do Planalto, a proposta altera a distribuição para áreas já licitadas. Isso pode levar Rio de Janeiro e Espírito Santo a frustrações bilionárias de arrecadação nos próximos anos. A forma como a proposta foi redigida, porém, permite que a presidente vete apenas esta parte, mantendo novos critérios de distribuição apenas para áreas que serão leiloadas pelo modelo de partilha, criado após a descoberta das reservas na camada pré-sal.

A disputa sobre os royalties do petróleo decorre do grande crescimento da produção. No ano passado, os royalties e participação especial recolhidos ultrapassaram R$ 24 bilhões e a expectativa é que este montante chegue a R$ 31 bilhões no ano que vem e passe de R$ 54 bilhões em 2020.

fonte: http://economia.estadao.com.br/noticias/economia,camara-conclui-votacao-e-nova-divisao-de-royalties-vai-a-sancao,133794,0.htm

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Ensino Fundamental

Ensino Fundamental  é um dos níveis da Educação Básica no Brasil. O Ensino fundamental é obrigatório, gratuito (nas escolas públicas), e atende crianças a partir dos 6 anos de idade.
objetivo do Ensino Fundamental Brasileiro é a formação básica do cidadão. Para isso, segundo o artigo 32º da LDB, é necessário:

I – o desenvolvimento da capacidade de aprender, tendo como meios básicos o pleno domínio da leitura, da escrita e do cálculo;
II – a compreensão do ambiente natural e social, do sistema político, da tecnologia, das artes e dos valores em que se fundamenta a sociedade;
III – o desenvolvimento da capacidade de aprendizagem, tendo em vista a aquisição de conhecimentos e habilidades e a formação de atitudes e valores;
IV – o fortalecimento dos vínculos de família, dos laços de solidariedade humana e de tolerância recíproca em que se assenta a vida social.
Desde 2006, a duração do Ensino Fundamental, que até então era de 8 anos, passou a ser de 9 anos. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB 9395/96) foi alterada em seus artigos 29, 30, 32 e 87, através da Lei Ordinária 11.274/2006, e ampliou a duração do Ensino Fundamental para 9 anos, estabelecendo como prazo para implementação da Lei pelos sistemas de ensino, o ano de 2010.

O Ensino Fundamental passou então a ser dividido da seguinte forma:

o Anos Iniciais – compreende do 1º ao 5º ano, sendo que a criança ingressa no 1º ano aos 6 anos de idade.

o Anos Finais – compreende do 6º ao 9º ano.

Os sistemas de ensino têm autonomia para desdobrar o Ensino Fundamental em ciclos, desde que respeitem a carga horária mínima anual de 800 horas, distribuídos em, no mínimo, 200 dias letivos efetivos.

O currículo para o Ensino Fundamental Brasileiro tem uma base nacional comum, que deve ser complementada por cada sistema de ensino, de acordo com as características regionais e sociais, desde que obedeçam as seguintes diretrizes:

I – a difusão de valores fundamentais ao interesse social, aos direitos e deveres dos cidadãos, de respeito ao bem comum e à ordem democrática;
II – consideração das condições de escolaridade dos alunos em cada estabelecimento;
III – orientação para o trabalho;
IV – promoção do desporto educacional e apoio às práticas desportivas não-formais. (ART. 27º, LDB 9394/96)

A responsabilidade pela matrícula das crianças, obrigatoriamente aos 6 anos de idade, é dos pais. É dever da escola, tornar público o período de matrícula.

Além da LDB, o Ensino Fundamental é regrado por outros documentos, como as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental, o Plano Nacional de Educação (Lei nº 10.172/2001), os pareceres e resoluções do Conselho Nacional de Educação (CNE) e as legislações de cada sistema de ensino.

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Incentivo à doação de medula óssea



As lutas da vida real



Brincadeira


Em dezembro de 2011, Matheus Steilein Trevizani (foto), com 3 anos na época, começou a sentir fortes dores na perna. Após uma ressonância magnética, células de câncer foram encontradas. A mãe, Jaqueline, conta que em quase um ano de tratamento o menino jamais deixou de brincar, de correr ou de sorrir. “Ele é cheio de energia, de alegria. Encarou tudo como uma brincadeira.” Segundo ela, o vídeo mostra a importância de ser um doador. A dificuldade de encontrar alguém compatível fora da família é muito pequena. Quanto mais pessoas cadastradas como doadores, melhor.”

Careca


Isabella Matumoto, 19 anos (foto), encontrou no banco de doadores de medula óssea alguém compatível com ela e em breve poderá passar pelo procedimento. Ela não sabe seu nome, endereço, raça, idade ou sexo, mas espera que em dois anos (tempo em que nem doador nem receptor podem entrar em contato um com o outro) possa conhecê-lo. Ela havia decidido não participar do vídeo por não ter “assumido” a careca. Seu pai, Francisco Matumoto, resolveu substituí-la e ela se emocionou. “Agora vejo minha careca e tenho orgulho. Espero que o vídeo ajude muita gente”, conta.

Nossa missão é ajudar


Gabrielli Folle, 12 anos - Com 80% de chances de cura por meio do tratamento quimioterápico, que deve durar dois anos, Gabrielli Folle, de 12 anos, encara a luta com muita força e coragem. A mãe dela, Fabielli Folle, ainda não descartou a possibilidade de a menina ter de realizar o transplante no futuro, mas elas acreditam que é possível sim conscientizar as pessoas da importância de se tornarem doadoras. “Essa luta não é fácil. É preciso ficar atento a qualquer probleminha que ela tenha, como febre, alguma dor, até picada de mosquito pode se tornar algo muito grave. Mas nós acreditamos que estamos nesse mundo para ajudar o próximo. Assim, podemos fazer a diferença”, diz a mãe. E participar do vídeo foi um oportunidade para que elas ajudassem a tocar o próximo a fazer o bem. “[A sensação de ter participado] é incrível. É emocionante. Fico quase sem palavras. Muitas pessoas nem sabem que é possível ter esse ato de amor. Antes de eu passar por isso, também não sabia. Agora quero ajudar a divulgar”, conta a menina. “Acredito que muitas pessoas vão ver o vídeo, se emocionar e sentir que devem doar medula para salvar uma vida.”

Dois objetivos

Daniel Ansay, 30 anos - Após passar a sentir muito cansaço, Daniel Ansay, 30 anos, decidiu começar a praticar exercícios para melhorar seu condicionamento físico. Quando fez os exames recomendados, a leucemia foi detectada. Depois do choque inicial, Daniel passou a fazer o tratamento quimioterápico, hoje a doença já está controlada e ele recebeu alta. Mesmo não tendo precisado de transplante de medula, seus quatro irmãos fizeram os testes de compatibilidade e nem um poderia ser doador. Isso significa que, se no futuro ele tiver de fazer um transplante, precisará encontrar alguém cadastrado no banco de medula óssea. “Quando me convidaram para participar do vídeo, eu já estava em alta, mas aceitei na hora. Essa foi uma grande oportunidade para duas coisas: a primeira mostrar para quem sofre com o problema que há outras pessoas na mesma situação e estão lidando com isso sempre com muita força. E a segunda foi divulgar a importância de ser um doador de medula.”

A ajuda veio da Alemanha

Noah de Brito Nadalini, 1 ano e 3 meses - Aos 10 meses de idade, Noah de Brito Nadalini foi diagnosticado com leucemia. Como seu caso era grave, o bebê precisava o quanto antes de um transplante de medula óssea. Felizmente, em apenas quatro meses veio a notícia de que havia um cordão umbilical compatível na Alemanha. O material veio para o Brasil, e há três semanas, pouco tempo depois de Noah e seus pais terem participado das gravações do vídeo, ele foi submetido ao transplante. “Fizemos questão de participar do vídeo com o Noah. Nós já temos um blog, no qual divulgamos toda a história dele e incentivamos as pessoas a serem doadoras. Muita gente conta que depois que leu o blog resolveu se cadastrar no banco de doadores de medula óssea”, diz a mãe dele, Camila Brito Nadalini. O menino agora está bem, mas continua internado de forma isolada porque sua imunidade está muito baixa. “Por enquanto só meu marido e eu ficamos com ele. Os cuidados são muito intensos nessa fase, mas acredito que em três semanas possamos ir todos para casa.”
  Fonte: http://www.gazetadopovo.com.br/vidaecidadania/conteudo.phtml?tl=1&id=1308843&tit=Video-com-portadores-de-leucemia-tem-26-mil-acessos-#ancora

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Maringá


Sugestão de acesso


Ola,

Na revista Projetos Escolares - educação infantil nº 90 tem atividades bilingues sobre as diferenças e similaridades físicas entre as pessoas.

Abraços,
Betina

terça-feira, 4 de setembro de 2012

Ensino Fundamental


O ensino fundamental é obrigatório para crianças e jovens com idade entre 6 e 14 anos. Essa etapa da educação básica deve desenvolver a capacidade de aprendizado do aluno, por meio do domínio da leitura, escrita e do cálculo. Após a conclusão do ciclo, o aluno deve ser também capaz de compreender o ambiente natural e social, o sistema político, a tecnologia, as artes e os valores básicos da sociedade e da família.
Desde 2005, a lei nº 11.114 determinou a duração de nove anos para o ensino fundamental. Desta forma, a criança entra na escola aos 6 anos de idade, e não mais aos 7, e conclui aos 14 anos, ou seja, no 9º ano.
A nova regra garante a todas as crianças tempo mais longo de convívio escolar e mais oportunidades de aprender. A ampliação do ensino fundamental começou a ser discutida no Brasil em 2004, mas o programa só teve início em algumas regiões em 2005. Os estados e municípios têm até 2010 para implantar o ensino de nove anos. Até 2009 92% dos municípios já implantaram o Ensino Fundamental de nove anos.
Segundo o Censo Escolar de 2010, 31.005.341 de alunos estão matriculados no Ensino Fundamental Regular. A grande maioria (54,6%) na rede municipal com 16.921.822 matrículas. As redes estaduais correspondem a 32,6% dos matriculados, as privadas atendem a 12,7% e as federais a 0,1%.

Provinha Brasil 
Para garantir a alfabetização de todas as crianças até 8 anos, o ensino fundamental conta com a Provinha Brasil. O exame permite avaliar as habilidades relativas ao processo de alfabetização dos alunos e ajuda a evitar que as crianças cheguem à quarta série do ensino fundamental sem dominar a leitura e a escrita. 

Fontes:

Inep