R E F L I T A:


Mande suas críticas e sugestões: sbritom@hotmail.com


sábado, 16 de outubro de 2010

Vygotsky - Uma perspectiva Histórico-Cultural da Educação

 Teorias de Vygotsky e seus reflexos em sala de aula
Por: Teresa Cristina Rego
 
Vygotsky defende a idéia de que a criança não é um adulto em miniatura,sendo assim todo sistema mental da criança age de formas diferentes, rementendo o professor a entender o aluno como ele é e nao da forma que nós vemos o mundo.

A formação docente deve ser de extrema importãncia para o estudo das diferentes abordagens sobre as teorias do desenvolvimento para que o processo de ensino-aprendizagem venha a responder ás necessidades do aluno/criança.

O pensamento do individuo, implica não só em mudanças de quantidade, mas de qualidade e a relação entre esse individuo e a sociedade é que determina o seu desenvolvimento.

Diante das teorias de Vygotsky, nós professores, devemos nos perguntar quais são os tipos de ambientes de aprendizagem são os mais adequados á favorecer o desenvolvimento da criança.

Para Vygotsky " a aprendizagem é o produto da ação dos adultos que fazem a mediação no processo de aprendizagem das crianças".

Se faz necessário o uso de ferramentas culturais e lingüisticas nesse processo de mediação. Muito mais que um processo de assimilação e acomodação, é um processo de internalização, na qual a criança domina e se apropria, Para ele, portanto, " desenvolvimento dos processos cognitivos superiores, é resultado de uma atividade mediada."

O processo de internalização pode ser entendido como:

"(...) a reconstrução interna de uma operação extterna, onde uma série de transformações se processam: a) uma operação que inicialmente representa uma atividade externa é reconstruída e começa a ocorrer internamente.

b) um processo interpessoal é transformado num processo intrapessoal.

c) a transformação de um processo interpessoal num processo intrapessoal é o resultado de uma longa série de eventos ocorridos ao longo do desenvolvimento."

O mediador ajuda a criança a alcançar um desenvolvimento que não conseguiu atingir sozinha, ou que não consegue atingir sozinha, eles são os professores com maiores experiências na escola.

"É preciso que a Escola e seus educadores atentem que não tem como função ensinar aquilo que o aluno pode aprender por si mesmo e sim, potencializar o processo de aprendizagem do estudante. A função da Escola é fazer com que os conceitos espontâneos, informais, que as crianças adquirem na convivência social, evoluam para o nível dos conceitos científicos, sistemáticos e formais, adquiridos pelo ensino. Eis aí o papel mediador do docente."

O professor mediador deve orientar o aluno de modo a conduzi-lo a desenvolver o raciocinio da questão e por consequência da solução dos exercícios propostos, para que nos próximos exercícios os alunos já possam desenvolve-lo sozinhos e se acontecer o contrário, ou seja, o professor simplesmente colocar a atividade proposta na lousa e não conduzi-la a uma excelente explicação, os alunos não vão reconhecer o processo de realização do problema e continuarão com dúvidas para resolver.

Um aspecto particularmente importante da teoria de Vygotsky é a idéia da existência de uma área potencial de desenvolvimento cognitivo, mediadora do nivel de desenvolvimento atual da criança, determinada pela sua capacidade de resolver individualmente os problemas e o nível de desenvolvimento potencial, determinado através da resolução de problemas seguido de orientação de mediadores.

Vygotsky introduziu a noção de Zona de Desenvolvimento Proximal para lidar com duas questões: a avaliação das habilidades cognitivas das crinaças e a avaliação das práticas de instrução.

É importante salientarmos que no processo interativo não é a figura do professor ou do aluno que é importante, mas o campo interativo que foi criado. Essa interação esá entre as pessoas e é neste espaço que as transformações acontecem.

As ações compartilhadas, onde a construção do conhecimento se dá deve ser de forma conjunta,

tanto o papel do professor como o do aluno são olhados não como momentos de ações isoladas, mas como momentos convergentes entre si, e que todo o desencadear de discussões e de trocas colabora para que se alcancem os objetivos traçados nos planejamentos de cada série ou curso.

Concluindo:

Sabendo que a escola é o lugar onde a dominação e a sistematização do conhecimento acontecem, precisamos estar de olho nas interações do processo de ensino-aprendizagem em um contexto específico.

É na sala de aula que ocorrem negociações e conflitos diante do novo, daquilo que não conhecemos ou não dominamos totalmente e que apresentamos aos alunos de forma problematizadora.

Os alunos precisam ser motivados a se integrarem nas discussões, serem estimulados a interagir dentro da sala de aula. O professor pode e deve usar estratégias " externas" para aumentar esse estímulo, nada sofisticado, apenas instrumentos que incitem a criatividade do aluno.

Cabe ao professor transformar conhecimento espontaneo em conhecimento cientifico, mundo encoberto em mundo revelado, trazer descobertas ao mundo particular e social dos aluno, fazendo com que o professor se descubra em meio a vida de seus alunos.

fonte: http://pt.shvoong.com/books/1868303-vygotsky-uma-perspectiva-hist%C3%B3rico-cultural/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário